SóVimPraDançar por Naiara Azevedo

Segundo Resumão SPFW

terça-feira, fevereiro 01, 2011

No terceiro dia de desfiles, a Iódice apresentou um desfile cheio de fetiches. A cor preta foi predominante nos looks, porém, quando se pensava que seria ela que reinaria em todo o desfile eis que surge um vestido longo estampado com flores. As tonalidades foram dourado, safari, orange, além do preto, claro!


A estreante no SPFW, Juliana Jabour,  foi um dos defiles mais comentados pelo o que percebi.  No lugar do óbvio xadrez, animal print e a selvageria dos leopardos tomaram conta da passarela. Para o jeans, vestidos, cardigãs, parka. Nos pés, botinha bicolor. Teve o lado sombrio, mais duro em blazer pretos, calças retas e paletós ou em silhuetas estruturadas e algumas sobreposições. E Fernanda Lima pra completar tudo!




A Cori, aposta na individualidade das peças. A partir da referência de Lloyd Wright (grande arquiteto americano), a equipe de criação da Cori - capitaneada por Giselle Nasser e Adrea Ribeiro - teve que repensar a construção da roupa nesta coleção outono-inverno 2011. Casacos, vestidos, blazers, paletós com fendas, desníveis e mistura de tecidos em seda, lã, organza, couro e veludo coloridos pelo preto, marinho, tabaco, camelo, vermelho, amarelo e off-white....tudo isso junto e misturado!



A Osklen, apresentou uma coleção easy-chic e atual que desperta o já costumeiro anseio de querer tudo. A Osklen é do tipo que faz moda conceitual, de longe se identifica as características que conduzem o trabalho da equipe de Oskar e para o outono-inverno não será diferente:



O tão esperado desfile da Colcci, surpreendeu positivamente. Caracterizada pelo enfoque supercomercial e pouco atrativa, a marca agora sob a dupla esperta Adriana Zucco e Jeziel Moraes conseguiu manter o DNA focado no jeanswear e elevar o patamar criativo. Mas vamos combinar que o que a gente queria ver mesmo era Gisele que desfilou pra marca pela última vez, que passou o bastão para "a feia" Alessandra Ambrósio e Asthon que nem desfilou né? Deu só uma passeada, mas ta valendo...rsrsrs





O quarto dia, começa com Huis Clos, inspirada em signos expressivos da alma feminina e todo o universo complexo que a rodeia, a apresentação levou baile de máscaras para a passarela. Modelos com os cabelos presos e luvas de pele sintética deram expressão e força ao inverno 2011 que também abusa de renda, lã, couro, cristal e brilhos.



  
Inspirada em Brasilia, a Maria Bonita mostra uma coleção humana. Ronaldo Fraga levou pombinhas, colagens em preto e branco, bordados, formas geométricas, bordados, camadas de vestidos, paetês, recortes nas costas, peças que se apresentavam ao som de Canto de Ossanha, de Vinicius de Moraes.



A grife de moda masculina V.ROM  mostrou uma moda descontraída e desconstruída, no bom sentido. E acima de tudo, usável por quem tem esse espírito jovem e viajante, não importa a idade. Por isso, modelos de todas as idades, de mocinhos a bem grisalhos. Sem falar no lindo Cássio Reis.


Pra finalizar o quarto dia, a marca Reserva apresentou a coleção Decadence Avec Elegance iniciava a sua mostra de que o clássico é o novo velho. Na proposta de desarrumar o mauricinho norte-americano, a Reserva decidiu impor a irreverência brasileira no preppy made in USA (estilo colegial dos anos 50 e 60). Lobão foi o escolhido para fazer trilha ao vivo com direito a muitas distorções de guitarra.




Ainda falta hoje e amanhã hein gente...

Fonte: Portal Terra



0 comentários:

@SoVimPraDancar